quinta-feira, 24 de novembro de 2011

ACNUR preocupado com milhares de refugiados em áreas fronteiriças do Sudão do Sul

O Alto Comissariado da ONU para refugiados (ACNUR) expressou sua preocupação sobre a segurança de milhares de refugiados que se encontram nas regiões fronteiriças do Sudão do Sul na medida em que conflitos no Sudão continuam forçando civis a cruzar as fronteiras. 

“Devido a questões de segurança, o ACNUR está trabalhando para transferir esses refugiados das regiões fronteiriças para áreas mais seguras no Sudão do Sul”, disse a porta-voz da organização, Melissa Fleming, a jornalistas em Genebra. 

No estado Unidade, no Sudão do Sul, entre 60 e 200 refugiados têm chegado diariamente a Yida, no município de Pariang, após fugirem do estado sudanês de Kordofão. Isso está acontecendo mesmo após os bombardeios da semana passada nos arredores de Yida, onde aproximadamente 23 mil pessoas estão abrigadas – majoritariamente refugiados, além de pequenos grupos de deslocados internos e repatriados. 

Agências das Nações Unidas e ONGs continuam oferecendo serviços em Yida, incluindo alimentos, água, saneamento e assistência médica para os refugiados mais vulneráveis. 

Dede o começo do influxo em agosto, o ACNUR vem solicitando aos residentes do campo de Yida que se mudem para locais mais distantes da insegura fronteira, disse Fleming. “Preparamos um local para recebê-los mais ao sul no Estado de Unidade, mas os refugiados estão resistindo a se mudar, pois estão preocupados com seus familiares que continuam no Kordofão do Sul, preferindo permanecer mais próximos de suas casas”, explicou. 

O ACNUR está pronto para apoiar a transferência de refugiados que desejem se realocar em outras áreas mais seguras assim que as estradas atingidas por fortes chuvas estiverem transitáveis novamente. Entretanto, as tentativas da organização de realocar os refugiados de Yida estão sendo dificultadas pela presença de minas terrestres encontradas recentemente em algumas estradas de Unidade. “O ACNUR apela a todas as partes envolvidas no conflito para que respeitem a proteção de civis”, afirmou Fleming. 

Assim como os refugiados em Unidade, o Sudão do Sul também está recebendo milhares de refugiados provenientes do Estado de Nilo Azul. O ACNUR está monitorando a situação na fronteira. Mais de 1,2 ml refugiados estão chegando diariamente, e estima-se que entre cinco a sete mil refugiados encontram-se na região de fronteira. A agência também está trabalhando para realocar estas pessoas. 

Os refugiados mais vulneráveis estão sendo realocados em um assentamento em Doro, próximo à capital da província, Bunj, onde o ACNUR e seus parceiros estão provendo alimentos, itens de ajuda humanitária e rápidos exames médicos. Mais de cinco mil pessoas foram registradas até o momento neste assentamento. O ACNUR está trazendo ajuda adicional para responder ao influxo de refugiados.