segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Zambianos elegem amanha, terça-feira, o novo Presidente da República


Cerca de Cinco milhões de eleitores zambianos vão hoje às urnas para votar em eleições locais, legislativas e presidenciais, nas quais o actual chefe de Estado, Rupiah Banda, é o principal favorito.

O maior adversário de Banda é Michael Satã, candidato vencido nas últimas três eleições. Segundo a agência Associated Press, a campanha eleitoral decorreu sem incidentes, mas há receios de que possam ocorrer confrontos depois do anúncio dos resultados.

O grande argumento político de Banda é a fase de relativa prosperidade que a Zâmbia atravessa. Maior produtor africano de cobre, este país da África Austral, que tem fronteiras com Angola e Moçambique, teve um rápido crescimento económico (taxas na ordem dos sete porcento anuais) nos últimos anos, atraindo grandes investimentos estrangeiros, particularmente da China. Banda, de 74 anos, ascendeu à presidência em 2008 depois de o então Presidente Levy Mwanawasa ter morrido de problemas cardíacos.

Numa eleição especial, Banda derrotou Satã por uma margem de apenas 35 mil votos. Satã, também de 74 anos, centra a sua campanha em acusações de corrupção contra o actual Presidente: “Vamos buscar o dinheiro que Rupiah Banda meteu ao bolso, vamos metê-lo nos vossos bolsos”, disse Satã num comício de fim de campanha, citado pela agência espanhola EFE.

Os apoiantes de Satã acusam ainda Banda de não ter nacionalidade zambiana, porque tanto o pai como a mãe teriam nascido no Zimbabwe (a comissão eleitoral da Zâmbia recusou pedidos para inviabilizar a sua recandidatura.

A polícia zambiana já anunciou que na terça-feira  e nos dias seguintes haverá patrulhas reforçadas, e proibiu a venda de álcool ou armas brancas nas ruas das principais cidades. Vivem na Zâmbia 12,6 milhões de pessoas (entre os quais 250 mil refugiados angolanos).

Fonte: Jornal Noticias - Moçambique