quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Cerca de 20 mil sudaneses escapam de conflitos e fogem para a Etiópia

Cerca de 20 mil pessoas fugiram durante a semana passada para o oeste da Etiópia, para escapar dos combates no estado Nilo Azul, no Sudão, e o número continua crescendo. O Alto Comissariado da ONU para Refugiados (ACNUR) começou a enviar ajuda emergencial para as áreas.

A equipe de avaliação do ACNUR retornou para a capital etíope, Adis Abeba, nesta segunda-feira, após visitar a região de Assosa, onde os refugiados estão chegando. Os integrantes da equipe disseram que os recém-chegados estão atravessando para a Etiópia principalmente por Kurmuk e Gizen, perto de Sherkole, cerca de 770 quilômetros a oeste de Adis Abeba. Outros estão atravessando por Bamaza, mais ao norte.

“No geral, o estado físico dos refugiados parece bom, mas eles precisam de comida, água e abrigo. Alguns, na área de Gizen, estão ocupando escolas, enquanto outros estão ficando com famílias locais”, disse um porta-voz do ACNUR nesta terça-feira.

Membros da equipe de avaliação disseram que os aqueles dispostos a ser realocados estão sendo levados ao campo de refugiados já existente em Sherkole. No entanto, a maioria demonstra relutância em ir para o campo e prefere permanecer próximo à fronteira, na esperança de que os conflitos acabem logo e que seja possível voltar para casa.

Os primeiros realocamentos para Sherkole começaram no sábado. O campo foi aberto em 1997, em resposta à guerra civil sudanesa entre norte e sul que terminou oficialmente em 2005. Até agora, 2,5 mil refugiados foram transferidos. O estado Nilo Azul fica na fronteira com o recém-independente Sudão do Sul.

O ACNUR enviou artigos de socorro emergencial para Assosa e mais suprimentos estão a caminho de Adis Abeba para ajudar os sudaneses em Sherkole e em outros vilarejos ao longo da fronteira. O Fundo das Nações Unidas para Crianças (Unicef) está fornecendo galões de água e suprimentos médicos, enquanto o Programa Mundial de Alimentos (PMA) envia alimentos.

Sherkole, que já abriga cerca de 4 mil sudaneses, pode receber outros 6 mil. O governo da Etiópia disponibilizou três novos locais em Tongo, Bambasi e Gure, próximos a Sherkole, para acomodar os recém-chegados - cada um com capacidade para acomodar 10 mil refugiados. O ACNUR já começou a preparar os locais.

A agência continua enviando mais funcionários para a área, a fim de reposnder à emergência de forma mais eficaz. O Alto Comissário da ONU para Refugiados, António Guterres, fez um apelo neste fim-de-semana pelo fim dos conflitos em Nilo Azul. “Precisamos interromper, a todo custo, mais uma crise de refugiados nesta região do mundo que tem sofrido tanto nos últimos meses”, disse Guterres.

Antes desta última emergência, a Etiópia já acomodava mais de 26 mil refugiados sudaneses em dois campos.