sábado, 22 de janeiro de 2011

ONU alerta para enchentes em países da África Austral

Praticamente todos os países da África Austral estão em alerta para cheias, informou ontem (sexta-feira) a Organização das Nações Unidas (ONU). Chuvas excepcionalmente fortes estão previstas para a região até março. "Nós tememos as enchentes relâmpago. Elas são comuns na região e temos registado chuvas mais fortes do que nos anos anteriores", disse Elisabeth Byrs, porta-voz do escritório da ONU para Coordenação de Assuntos Humanitários.

Cinco países estão em alerta para enchentes: Botswana, Moçambique, Namíbia, Zimbabwe e Zâmbia. A África do Sul deve declarar situação de calamidade. No país, as inundações e tempestades já causaram 40 mortos e obrigaram 6 mil pessoas a deixarem as suas casas, segundo a ONU. Há relatos sobre mortos, feridos e danos materiais no Lesoto, Madagáscar, Malawi, Angola e Swazilândia.

O volume dos dois maiores rios da região, o Zambezi e o Okavango, está praticamente o dobro do normal. "Poderemos ter desastres de grandes proporções se medidas de prevenção não forem tomadas nas próximas seis semanas", disse Byrs. A ONU também alerta para o risco do aumento dos casos de cólera - doença que é endêmica em alguns países da região - e malária, bem como o perigo de destruição de plantações.

HCB AUMENTA DESCARGAS

Entretanto, a Hidroeléctrica de Cabora Bassa (HCB) prevê incrementar as suas descargas de água a partir deste Sábado devido a forte precipitação que se regista em toda a bacia do Zambeze, centro de Moçambique.

Um comunicado de imprensa da HCB indica que esta empresa vai aumentar a abertura de um descarregador para cem por cento, perfazendo um caudal de 3.550 metros cúbicos por segundo.

Esta medida visa também responder ao aumento significativo dos caudais do Zambeze em resultado da abertura, também no mesmo dia, das descarregas da Barragem de Kariba, na vizinha Zâmbia.

“Assim, apela-se a todos os utilizadores e a população em geral a se retirarem das zonas vulneráveis a inundações, particularmente nos locais próximos ao leito do rio Zambeze e seus afluentes”, indica o comunicado.

Estas descargas da HCB são quase o dobro do volume atingido nas últimas duas semanas, calculado em 1.900 metros cúbicos por segundo. Contudo, mesmo assim, o volume continua muito abaixo do nível atingido em Dezembro de 2010, quando a HCB chegou a descarregar 5.200 metros cúbicos por segundo.

A medida a HCB tinha como objectivo reduzir o nível da albufeira de modo a aumentar a sua capacidade de armazenamento das águas provenientes da Zâmbia e do Zimbabwe no período de pico da época chuvosa, entre Janeiro a Março corrente.

Como resultado, em finais de Dezembro e princípios de Janeiro corrente, o Zambeze estava acima do nível de alerta entre a cidade de Tete e Oceano Índico.

Contudo, mesmo assim não foi necessária nenhuma operação de resgate porque as pessoas que antes viviam nas zonas propensas a inundações no baixo e médio Zambeze foram reassentadas nas zonas altas depois das cheias de 2007 e 2008.

Fonte: Rádio Moçambique