sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Antes de referendo, quase 55.000 se deslocam para o sul do Sudão

Quase 55.000 sulistas vivendo no norte do Sudão retornam às regiões sul durante as últimas semanas que antecedem o referendo sobre independência do país, que ocorrerá no próximo mês.

Parte do deslocamento, que acontece por vias rodoviária, ferroviária, por barco e avião, tem sido organizado pelo governo do Sudão do Sul e outra parte ocorre espontaneamente. A maioria já retornou para o Unity State, mas os estados do Alto Nilo, Bahr do Norte, el Ghazal, Jonglei e Warrap também têm recebido um grande número de pessoas.

“No diversos campos para pessoas deslocadas nos arredores de Khartoum, milhares de sulistas estão fazendo suas malas e esperando a partida,” disse um porta-voz do ACNUR, acrescentando que “as novas chegadas aumentam a pressão em um frágil ambiente humanitário.”

O Sudão do Sul já esta lidando com mais de 215.000 deslocados internos forçados a migrar, desde janeiro, devido a conflitos étnicos, ataques de grupos rebeldes e outras formas de insegurança.

Na última semana, o ACNUR começou a distribuir ajuda para alguns dos 35.000 retornados que estão nos arredores da cidade de Abyei – um elo histórico entre as regiões norte e sul do país. Estas pessoas vieram de Khartoum, com a ajuda de autoridades locais, e estão sendo assistidas com kits de abrigo emergenciais.

“Nós também temos mobilizado recursos para responder a possíveis aumentos na demanda de ajuda humanitária onde quer seja, através do envio e do posicionamento prévio, inclusive em países vizinhos, de material humanitário essencial,” disse o porta-voz.

Ao mesmo tempo, o ACNUR está organizando centros de acolhida ao longo do caminho para auxiliar as pessoas durante suas viagens e está reforçando sua presença e capacidade nos principais estados e municípios do sul do Sudão.

Desde a assinatura de um acordo de paz abrangente, em janeiro de 2005, entre o governo sudanês em Khartoum e o grupo rebelde do sul do Sudão, o Exército Popular de Libertação do Sudão, quase 2 milhões de deslocados retornaram para suas comunidades na região sul e à auto intitulada ‘Três Áreas’, entre Abyei, Blue Nile e Kordofan do Sul. Outros 330.000 refugiados retornaram do exílio, a maioria com a ajuda do ACNUR.

Conseguir soluções duradouras para esses repatriados continua sendo difícil devido ao aumento da insegurança e à limitação de acesso a serviços, moradias e infraestrutura. O ACNUR continuará focando seu trabalho com os repatriados e trabalhando para assegurar a integração social dos mesmos no sul do Sudão.

 Fonte: HREA